segunda-feira, 15 de outubro de 2012

A Fada do Assim

Ela nasceu tropeçando na dualidade.
Cresceu e foi pra vida.
Tragou da fumaça dos cigarros e escapamentos.
Bebeu e chorou,
Andou em ziguezague pelos becos da cidade.
Gerou filhos ocultos,
Vestiu o cansaço e dormiu abraçada ao silêncio.
Mas a tristeza não lhe deu asas,
Ela não conseguiu voar.
Esta presa nos contos,
Sua vida,
Simples iconografia.
Fez assim,escolheu sua história.